Go to ...

Jornal de Ciência Espírita on YouTube

23/07/2017

Quem foi: Annie Owen Morgan – Katie King Uma materialização em laboratório


Todo estudioso do Espiritismo já ouviu falar em Florence Cook. Ela era, em fins do século passado, uma mocinha de 15 anos, famosa como médium de efeitos físicos. Pela mediunidade de Florence materializou-se durante três anos consecutivos um Espírito que se dizia chamar Katie King. Tão notáveis eram esses fenômenos que o famoso cientista Willian Crookes empenhou-se em estudá-los com todo o rigor que sua formação lhe impunha. E as suas pesquisas duraram até o dia em que Katie, dando por finda a sua missão, disse adeus a todos.

Katie King, cujo verdadeiro nome era Annie Owen Morgan, vivera na Terra até 1650, tendo desencarnado aos 23 anos. Era filha de Henry Owen Morgan, mais conhecido como John King, um pirata que acabou sendo governador da Jamaica.

Durante três anos Katie submeteu-se a todos os testes que os pesquisadores, Willian Crookes à frente, imaginaram. Foi fotografada 44 vezes. Suas pulsações foram medidas: seu pulso apresentava 75 batimentos por minuto, enquanto que o da médium chegava a 90. Auscultada, seu coração tinha maior regularidade que o de Florence; seus pulmões eram perfeitamente sadios, enquanto que a ectoplasta sofria de bronquite. Embora a altura do Espírito variasse um pouco de uma sessão para outra, era sempre mais alta que Florence, assim como mais clara e muito mais bonita que esta. Sua beleza, aliás, impressionou a todos e o próprio Crookes, respeitosamente, dedicou-lhe uma poesia. Em uma ocasião concordou em submeter-se à incidência de uma luz forte, momento em que foi vista desfazendo-se como uma boneca de cera diante do fogo. Às vezes a sua materialização não era completa e houve uma noite em que apenas sua cabeça era visível, percorrendo o salão ao nível do assoalho. Em mais de uma oportunidade, principalmente em sua última aparição, ela cortou mechas de seus cabelos e pedaços de seu vestido, dando-os de presente aos investigadores. E suas vestes e cabelos, tão logo eram cortados com uma tesoura, refaziam-se totalmente de modo a não se notar neles a menor falha.

Ao se despedir, como veremos, Katie recomendou sua médium, a quem tanto estimava, a Willian Crookes, o que mostra o clima de amor e de respeito em que as sessões transcorreram.

Pois bem. No Jornal Espírita de maio de 1987, o Sr. Krishnamurti Dias, em seu trabalho intitulado “Contra-argumentando”, escreve o seguinte, exatamente:

Na questão 200 do “Livro dos Espíritos”, discute-se o sexo dos anjos, pois que dos Espíritos. Katie King mostra-se nua, materializada e pergunta “vê se eu não sou uma mulher”, deixando que inspecionasse, impudica, sua genitália, mamas, curvas de magnífica carnação materializada. (sic)

Na ocasião escrevemos ao autor dessas linhas, solicitando maiores esclarecimentos sobre suas palavras, que nos pareceram de todo improcedentes. Foi depois de seu silêncio, que perdura, que resolvemos vir a público na tentativa de restabelecer a verdade. De fato, chamar Katie King de impudica é o cúmulo. Da forma como o Sr. Krishnamurti escreve, dá a impressão que o Espírito daquela moça se deixou ver, examinar e apalpar à vontade pelos pesquisadores masculinos na própria sala das sessões, e isto principalmente por causa daquele “deixando que inspecionasse”. Quem é, na frase do Sr. Krishnamurti, o sujeito do verbo inspecionar?

O fato é que não encontramos esse episódio em nenhuma das obras que consultamos. A ocorrência que mais se aproxima daquilo que o Sr. Dias conta é narrada pela escritora Florence Marryat em seu livro There is no Death, de 1891, que iremos agora transcrever:

Certa noite – é a escritora narrando – Katie King pediu-me que a acompanhasse até detrás da cortina do gabinete. Aí, para minha surpresa, desvestiu o seu amplo e belo vestido branco e ficou inteiramente nua à minha frente. Disse: – Não te assustes! Desejo desta forma provar-te que sou realmente uma mulher. E era-o, de fato, uma linda mulher, dotada de todos os órgãos que constituem o organismo feminino. Depois desta prova eu não podia mais duvidar.

Então vejamos: o Espírito Katie King vinha se prestando a toda sorte de experimentos junto aos pesquisadores. Certa noite chama uma mulher para um local fora das vistas de to- dos e então se despe, dirimindo assim a dúvida que, sabe-se lá por qual motivo, havia na mente da escritora. E tanto essa dúvida existia que Marryat disse que “depois dessa prova” já não poderia mais duvidar. Foi, portanto, ainda no interesse da ciência que Katie se submeteu a mais esse teste. Onde, então a impudicícia?

O fato é que aos olhos de tanta gente os dotes morais daquele Espírito foram evidencia- dos, que não se pode compreender a gratuidade de uma adjetivação menos respeitosa! Como se constata pelas fotografias existentes, Katie usava um vestido discretamente decotado. Não obstante, o príncipe Wittgenstein, um dos pesquisadores, declarou que ela freqüentemente, com um gesto pudico, fechava o véu sobre o colo. Aí temos alguém que esteve presente às sessões e que usa exatamente o adjetivo oposto ao empregado pelo nosso confrade contemporâneo!

Katie King, muitas vezes, passeava pelo salão e nessas oportunidades conversava e brincava com os pesquisadores. Pois o Dr. Gully declarou que quando Katie tocava os presentes, fazia-o tocando as senhoras nas faces, os cavalheiros nas mãos. Haverá algo de reprochável nesse procedimento, considerando-se que Katie queria mostrar sua materialidade?

Quando Coleman, outro investigador, quis saber se Katie estava descalça, ela levantou o vestido à altura dos tornozelos e procurou uma mulher, a Sra. Corner, para apoiar o pé em seu joelho.

Enfim, o procedimento daquela entidade foi, todo o tempo, irrepreensível. Até quando solicitava aos presentes que lhes fizessem perguntas advertia: – perguntas sensatas! O com- portamento dos pesquisadores que investigaram os fenômenos também não merece críticas. Afinal, com Katie estiveram Crookes, Bozzano, Aksakof, e só estas presenças bastariam para assegurar a respeitabilidade das pesquisas. Tanto é assim que, em sua derradeira materialização, Katie recomendou a médium Florence Cook aos cuidados de Willian Crookes, dizendo:

O Sr. Crookes sempre agiu muito bem, e é com a maior confiança que deixo Florence em suas mãos, perfeitamente convicta que não faltará à confiança que tenho nele.

Essa manifestação última de Katie King deu-se em 21 de maio de 1874. Todos os pre- sentes, inclusive ela própria, estavam muito emocionados. A médium Florence, despertada por Katie, pediu-lhe, chorando, que não a deixasse, ao que o Espírito respondeu com ternura: – Minha querida, não posso; minha missão está cumprida. Deus te abençoe! E nunca mais foi vista.

Sobre Florence Cook escreveu Wallace Leal Rodrigues:

A Doutrina Espírita deve eterna gratidão à menina de 15 anos, que, sacrificando sua juventude nos laboratórios dos sábios, prestou os mais relevantes serviços à comprovação científica da imortal obra de Allan Kardec.

Sem favor nenhum, palavras de igual teor podem ser ditas com relação ao dedicado e meigo Espírito Katie King.

5/5 (1)

Por favor, avalie este artigo.

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More Stories From Biografias

About [JCE] - Editor

Editor geral e responsável pela diagramação dos artigos no Jornal Impresso e Online.