Go to ...

Jornal de Ciência Espírita on YouTube

EM FOCO

24/05/2017

NEUROCIENTISTAS ENCONTRAM FORTES EVIDÊNCIAS DA VIDA APÓS A MORTE E AS APRESENTAM NAS NAÇÕES UNIDAS Por collective-evolution.com


O conhecimento científico está se expandindo diariamente a uma velocidade exponencial, e as implicações de novos desenvolvimentos, particularmente aqueles que desafiam a estrutura atual em relação à verdadeira natureza da realidade, são de longo alcance. Uma área que continua a se tornar um ponto focal de estudo para muitos médicos e neurocientistas é a relação entre mente, cérebro e consciência.

O cérebro é um receptor da consciência, ou a consciência é um produto do cérebro? Embora a ciência ainda não tenha mostrado com absoluta certeza que a consciência existe separadamente de nossos órgãos físicos, há muitas evidências (tanto anedóticas quanto científicas) que indicam que a consciência é algo completamente separado – que continua mesmo depois de morrermos, que É e pode ser uma “coisa” separada do cérebro. Parece haver muita consistência quando se trata de estudos que examinaram esta questão. Novas descobertas neste campo estão mudando rapidamente como percebemos e nos relacionamos com o mundo físico.

Abaixo está um vídeo em Inglês, do Dr. Bruce Greyson [Ative as legendas no video e selecione o idioma para tradução como Português] falando em uma conferência que foi realizada pelas Nações Unidas. Ele é considerado um dos “pais” dos estudos de quase-morte (EQM). É Professor Emérito de Psiquiatria e Ciência Neurocomportamental da Universidade da Virgínia.

No vídeo ele descreve casos documentados de indivíduos que estavam clinicamente mortos (sem atividade cerebral), mas observando tudo o que estava acontecendo com eles na mesa médica ao mesmo tempo. Ele descreve como tem havido muitos exemplos disso – onde os indivíduos são capazes de descrever coisas que deveriam ter sido impossíveis de descrever. Outra declaração significativa do Dr. Greyson postula que este tipo de estudo foi desencorajado devido à nossa tendência de ver a ciência como completamente materialista. Ver é crer, por assim dizer, na comunidade científica. É lamentável que apenas porque não podemos explicar algo através de meios materialistas, ele deve ser instantaneamente desacreditado. O simples fato de que a “consciência” em si mesma é uma “coisa” não-física é preocupante para alguns cientistas compreenderem, e como resultado de ser não material, eles acreditam que ela não pode ser estudada pela ciência.

Alguns cientistas e filósofos, materialisticamente inclinados, recusam-se a reconhecer esses fenômenos porque não são consistentes com sua concepção exclusiva do mundo. A rejeição da investigação pós-materialista da natureza ou a recusa de publicar conclusões científicas fortes que apoiem um quadro pós-materialista são antitéticas ao verdadeiro espírito da investigação científica, que é o de que os dados empíricos devem sempre ser tratados adequadamente. Os dados que não se encaixam teorias e crenças favorecidas não podem ser descartados como priori. Essa demissão é o domínio da ideologia, não a ciência. “- Dr. Gary Schwartz, professor de psicologia, medicina, neurologia, psiquiatria e cirurgia na Universidade do Arizona (1)

Em 2001, a revista médica internacional, The Lancet, publicou um estudo de 13 anos sobre experiências de morte próxima (EQMs). (2) (3)

“Nossos resultados mostram que fatores médicos não podem explicar a ocorrência de EQM. Todos os pacientes tiveram uma parada cardíaca, e estavam clinicamente mortos com inconsciência resultante de insuficiente suprimento de sangue para o cérebro. Nessas circunstâncias, o EEG (uma medida de atividade elétrica do cérebro) torna-se plana, e se a massagem cardíaca não é iniciada dentro de 5-10 minutos, danos irreparáveis são verificados para o cérebro e o paciente vai morrer”

Um total de 344 pacientes foram monitorados pela equipe de pesquisadores, e um impressionante 18 por cento deles tinham algum tipo de memória de quando eles estavam mortos, ou inconscientes (sem atividade cerebral), e 12 por cento (1 em cada 8) tinha uma experiência muito forte e “profunda”. Tenha em mente que essas experiências ocorreram quando não há atividade elétrica no cérebro após parada cardíaca.
Outro estudo vem da Universidade de Southampton, onde os cientistas encontraram evidências de que a consciência pode continuar por pelo menos alguns minutos após a morte. No mundo científico, isso era considerado impossível. O estudo é o maior estudo de experiências de morte perto do mundo já publicado, e foi publicado na revista Resuscitation. (4)

“Em 2008, um grande estudo envolvendo 2060 pacientes de 15 hospitais no Reino Unido, Estados Unidos e Áustria foi lançado. O estudo AWARE (AWAreness during REsuscitation), patrocinado pela Universidade de Southampton no Reino Unido, examinou a vasta gama de experiências mentais em relação à morte. Os pesquisadores também testaram a validade de experiências conscientes usando marcadores objetivos pela primeira vez em um grande estudo para determinar se reivindicações de consciência compatíveis com experiências fora do corpo correspondem a eventos reais ou alucinatórios. ” (fonte)
Este tipo de fenômeno não só foi registrado olhando Near Death Experience’s, mas também com estudos no domínio da parapsicologia. Um estudo em particular que mais se refere a este tópico, abrangendo mais de duas décadas, foi realizado por pesquisadores da Universidade de Stanford em conjunto com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Foi chamado de “programa de visualização remota“.

Um cavalheiro do nome de Ingo Swann foi capaz de descrever e ver com sucesso um anel em torno de Júpiter, um anel que os cientistas não tinham idéia existia. Isso ocorreu precisamente antes do primeiro vôo de Júpiter pela nave espacial Pioneer 10 da NASA, que confirmou que o anel realmente existia. Estes resultados foram publicados antes da descoberta dos anéis. A visão bem sucedida do anel por Ingo veio depois que os cientistas o observaram e identificaram objetos físicos em envelopes ocultos que foram colocados algumas centenas de quilômetros de distância. (5) (6) (7)

Você pode ler mais sobre este estudo de visualização remota aqui. [Em inglês]

Este tipo de coisa está dentro do reino das capacidades humanas estendidas, e é um exemplo de muitos que foram documentados e observados, mas falta um trabalho científico (materialista) que fornece algum tipo de teoria.

“Não vou cometer a estupidez da moda de considerar tudo o que não posso explicar como uma fraude. “- Dr. Carl Jung

Mais uma vez, gostaria de salientar que as informações contidas neste artigo não são nem uma fração do montante total da pesquisa que está disponível lá fora. Há estudo após estudo, livros após livros, e conferências em cima da conferências. Este é simplesmente um resumo breve e condensado de um tópico que tem sido examinado há anos.

 Se esse tipo de coisa despertar seu interesse, espero ter fornecido informações suficientes para aprofundar sua pesquisa. Eu vou deixar você com este vídeo, uma perspectiva de iniciados sobre NDEs. (Em inglês)

 

Notas:

(1) http://www.opensciences.org/files/pdfs/Manifesto-for-a-Post-Materialist-Science.pdf

(2) http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140673601071008

(3) http://www.mikepettigrew.com/afterlife/html/dutch_study.html

(4) http://www.resuscitationjournal.com/article/S0300-9572%2814%2900739-4/fulltext

(5) http://www.scientificexploration.org/journal/jse_10_1_puthoff.pdf

(6) http://www.un.org/press/en/2008/080911_NGOSymposium.doc.htm

Se desejar ler o artigo em inglês, (fonte)

4.04/5 (7)

Por favor, avalie este artigo.

Tags: , ,

7 Responses “NEUROCIENTISTAS ENCONTRAM FORTES EVIDÊNCIAS DA VIDA APÓS A MORTE E AS APRESENTAM NAS NAÇÕES UNIDAS Por collective-evolution.com

  1. Sandra
    31/01/2017 at 17:01

    Excelente! Precisamos cada vez mais divulgar nos meios espíritas os progressos da ciência neste sentido. Seguindo os passos de Kardec.

    Parabéns!

    Sandra

    4

    0
  2. Shirlene
    31/01/2017 at 20:07

    Bom,
    Tenho 100% de certeza e tenho provas de que existe vida pós morte.

    5

    1
  3. Bruno
    31/01/2017 at 21:30

    Estudos com estes são essências para demostrar que a espiritualidade não esta restrita exclusivamente a religião ou espiritualismo. Mas podem ter fundamentos científicos.

    2

    0
  4. Maria Celeste Barroso Serra
    03/02/2017 at 14:39

    Creio plenamente de que há vida pós morte do corpo físico. Faço transporte voluntária e involuntariamente. Não me importo com o que os outros pensam negativamente sobre isso. Sei que estou a serviço de Deus.

    1

    1
  5. Carlos Ivo
    03/02/2017 at 14:59

    olhe-se o que disse Jung e que cada um tenha a sua própria experiência, acreditando na sua e respeitando a do outro. Virá o dia em que tudo se comprovará na Consciência de cada um passando “a ver” o que até então lhe esteve vedado.

    3

    2
  6. 04/02/2017 at 18:58

    Com toda certeza. Vi minha mãe, depois meu avô materno e por fim meu pai trazer- me meus primeiros três netos enquanto dormia. E depois tudo se confirmou quando nasceram…eram mesmo meninos. Outra coisa que marcou-me, foi exatamente o dia em que minha mãe sofreu seu AVC….ele me disse claramente que estava tranquila, pois o pai e o irmão dela estava no quarto junto a ela. Jamais me esquecerei disso.

    2

    0
  7. Israel Ribeiro Arantes
    28/02/2017 at 15:06

    A MORTE NÃO EXISTE, É UMA FARSA TENHO EXPERIENCIA SUFICIENTE PARA DIZER…….

    1

    0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More Stories From Colunistas

About [JCE] - Editor

Editor geral e responsável pela diagramação dos artigos no Jornal Impresso e Online.