Go to ...
Jornal de Ciência Espírita on YouTubeRSS Feed

19/10/2017

A Alma dos Animais: IV – Um último adeus ao lar


Retiro o presente caso de um interessante artigo de Elisabeth d’Espérance, 8 publicado pela revista Light, datado de 22 de outubro de 1904, pág. 511:

fox-terrier2“… Uma só vez aconteceu comigo algo parecido com uma prova pessoal da presença em espírito de um animal que tinha conhecido em vida. Tratava-se de uma pequena fox-terrier, a favorita de minha família, a qual, após a partida de seu dono, tinha sido dada a um de seus admiradores que morava a uns 700 quilômetros de nós. Um ano depois, quando entrava pela manhã na copa, vi, para minha grande surpresa, a pequena Morna correndo e saltitando ao redor do quarto, aparentemente tomada por um frenesi de alegria; ela girava, girava, ora se escondendo sob a mesa, ora se enfiando por debaixo das cadeiras, como tinha o costume de fazer em seus momentos de excitação e de alegria, após um silêncio mais ou menos longo na casa. Obviamente concluí que o novo dono de Morna a tinha trazido para nossa casa, ou então que a pequena Morna tinha conseguido sozinha encontrar o caminho de seu antigo lar. Fui logo em seguida questionar os outros membros da família a esse respeito, mas ninguém sabia de nada; aliás, embora a procurássemos por toda parte e a chamássemos pelo nome, Morna não se apre sentava. Imaginamos então que eu poderia ter sonhado ou, senão, que eu poderia ter sido vítima de uma alucinação; após isso, o incidente foi rapidamente esquecido.

Vários meses depois, ou talvez um ano tenha se passado antes de encontrarmos o novo dono de Morna. Quisemos logo saber notícias dela. Ele nos disse que Morna tinha morrido após uma série de ferimentos que tinha sofrido durante uma briga com um cão enorme. Ora, pelo que pude constatar, o combate tinha se passado na mesma data ou um pouco antes do dia em que eu a tinha visto (em espírito) saltitar, correr e rodear a copa do seu antigo lar.”

Este relato lembra a última consideração que fiz sobre o assunto precedente, ou seja, que nos casos envolvendo seres humanos era possível, por vezes, supor que não se tratava precisamente de uma alucinação telepática que reproduz a forma do agente, mas sim do espírito do próprio agente que, tão logo tenha se despojado dos laços materiais, voltaria ao meio onde viveu, encarregando-se de se fazer sentir presente pelos seus familiares. Ora, embora não se tratasse de uma criatura humana, mas de uma cachorrinha, é preciso, no entanto, reconhecer que a maneira pela qual se comporta o fantasma – correndo e saltitando no quarto, invadido por um acesso de alegria –, tal como a cachorra viva tinha o costume de fazer após um longo silêncio, sugere irresistivelmente a idéia da presença espiritual da cachorra falecida. E, neste caso, a fim de evitar qualquer possível objeção em relação a esta suposição, que poderia parecer, de antemão, gratuita e audaciosa, lembrarei que na introdução deste livro já tinha prevenido meus leitores que relataria, no momento oportuno, alguns bons exemplos de aparições post-mortem de fantasmas animais identificados, que foram percebidos quer coletivamente por várias pessoas, quer sucessivamente por diversos percipientes que ignoravam reciprocamente a experiência dos outros.

Segue daí que estes fatos, absolutamente de acordo com o que se produz nos casos de aparições post-mortem dos seres humanos, justificam e confirmam a suposição que acabo de antecipar.

Por favor, avalie este artigo.

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More Stories From Artigos